sábado, 28 de novembro de 2009

Stroszek


Bruno , um adorável e inofensivo idiota , passou a vida saindo e entrando de instituições mentais por conta de sua peculiar condição. Ao ser libertado mais ultima vez se encontra sem rumo , e meio por acaso se junta a Eva , uma prostituta que por sua vez é ligada à um violento cafetão do submundo de Berlim , que passa à intimidá-los repetidamente. Sem terem uma solução em vista os dois migram para um fim de mundo no Wiscosin  , na companhia de uma terceira alma perdida : um vizinho senil e esclerosado.



Werner Herzog é um grande diretor , o cara que tem uma grande sensibilidade para contar estórias de desajustados , com muita naturalidade . Representa uma geração brilhante do cinema alemão (junto com o Fassbinder) que sempre dirige bons filmes , sem nenhuma pretensão de euroarte , direto e honesto e ainda assim vanguardista.



Esse filme realmente é um primor , Bruno é uma espécie de Kasper Hauser contemporâneo , ingênuo e digno de compaixão. Uma curiosidade : Ian Curtis se suicidou após assistir esse filme (nota-se a cena da galinha dançante no monitor de TV na sequência retratada em  24 hours party people - já postado aqui no blog) - Mas não por causa do filme. Stroszek é um filme admirável e tocante.






Titulo original : Stroszek
Ano : 1977
Diretor : Werner Herzog
País : Alemanha
Awards : German Film Critics Award (Melhor filme)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...