quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Um bonde chamado Desejo






Blanche Dubois é um provinciana dama do interior do Mississipi, que se vê forçada à viver com sua irmã Stella em um cortiço na cidade de New Orleans. Blanche, uma mulher de meia idade, está no meio de uma crise de esgotamento nervoso, alimentado por delírios de grandeza, sedução, e juventude eterna. Para piorar, sua irmã Stella vive com o boçal troglodita Stanley, que, contrariado com a chegada de Blanche, resolve investigar à fundo as reais motivações do de seu exílio em sua casa. Este filme carrega, além de suas qualidades, uma enorme historia e rede de conexões ao seu redor, que certamente contribuiram para sua mítica.

Trata-se de um dos grandes filmes do cinema americano, adaptado de uma peça teatral igualmente célebre, escrita pelo renomado dramaturgo Tennessee Willians, vencedor do prêmio Pulitzer por esta obra. De todos os seus trabalhos, este é o que imortalizou, e também o que encontra diversos elementos de sua própria biografia, que foi de fato teatral. Seu pai era beberrão e violento, como Stanley, e a atormentada Blanche era uma mistura de sua mãe, emocionalmente instável, e de sua irmã, clinicamente esquizofrênica. Conhecia bem a sociedade sulista, onde viveu por muitos anos, e era declaradamente homossexual, elemento que constava no script da versão teatral, mas que foi retirado da versão cinematográfica de acordo com a política dos bons costumes que os estúdios de Holywood praticavam na época (o filme é de 1951). Um dos pilares no qual o corpo teórico da psicanálise se apóia é a análise de obras literárias e de ficção em geral, em que os complexos do autor criativo transparecem em seus trabalhos, explicita ou implicitamente. Não por acaso, Tennessee Willians foi uma das primeiras celebridades a propagar que passou por um processo analítico, e que usava sua obra como uma espécie de purgação de seus demônios pessoais. 





O filme foi realizado pelo diretor Elia Kazan, nome forte da industria na era de ouro de Hollywood, tendo ele mesmo uma biografia que merece algumas linhas. Nascido de uma família grega, mas na Turquia, imigrou para os Estados Unidos onde interessou-se por teatro, tornando-se ator e mais tarde produtor teatral. Foi no teatro que dirigiu este texto de Willians pela primeira vez, daí sua intimidade com o roteiro, e o resultado final do filme como uma sessão de teatro filmada. Foi um dos fundadores do Actors Studio, a renomada escola de atuação que criou a técnica de "imersão total" do artista no papel, hoje em dia consagrada no meio. Não por acaso, os melhores atores de Hollywood nos anos 50 foram de lá pupilos: Marlon Brando, James Dean e Montgomery Clift. Mas se você investigar a biografia de todos os grandes atores americanos desde então, vai achar uma passagem de cada um pela escola. 





Além de utilisar o método, Kazan gostava de escalar rostos desconhecidos mas promissores em seus filmes, para intensificar a força dos papéis e a sensação de realismo dos trabalhos, sempre envolvendo fortes temas pessoais ou de realismo sociail. Kazan era um comunista militante, mas quando foi vítima de uma investigação federal em meio à caça às bruxas da histeria anti-comunista americana, não se fez de rogado e entregou uma dúzia de colegas de Hollywood. Este ato foi considerado como uma traição no meio, e o marcou para o resto da vida. Quando recebeu um Oscar pelo conjunto da obra em 1999, assistiu metade do auditório aplaudir, e a outra metade sentada de maneira indiferente em sinal de protesto.

O filme entrou no imaginário popular, e desde então faz parte do patrimônio cultural do cinema. E tudo colaborava para tal. A peça já era um sucesso de público e crítica. Marlon Brando estava no auge de sua beleza, e o apelo físico-animal do seu personagem cativou o publico feminino logo de cara. Vivian Leigh aparecia justamente revivendo uma "southern belle", tal qual Scarlet O'hara de E o vento levou , que já era na época um clássico amado por todos.  Através dos anos, referências do filme podem ser encontradas por todos os lados, desde os Simpsons (sempre !!!) até o clamor desesperado por Stella, na linda canção "stella was a diver and she was always down" da grande banda Interpol. E finalmente, há exatamente um ano atrás, o mestre Woody Allen lançava sua homenagem ao filme, Blue Jasmine, em que revisita a trama de maneira mais que espetacular.


                         


Título Original: A Streetcar named Desire
Ano: 1951
Diretor: Elia kazan
País: USA
Awards: Oscar 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...