segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Kung Fury




Kung Fury é um celebrado e divertido curta metragem de ação contemporâneo, espécie de elogio cômico da boçalidade, do superlativo e do exagero, mas que em termos de teoria de cinema é igualmente interessante, pois como em toda forma de paródia, o seu sucesso é estreitamente ligado ao conhecimento do espectador, que precisa estar familiarizado com as obras originais utilizadas na colagem, e das quais a própria existência do filme depende. Kung Fury é um criativo espelho deformante de muitas coisas que o precederam, mais especificamente da década de 80, o fetiche estético do projeto. Além disso o filme pensa sobre um determinado cinema de pirotecnia que tornou-se desde então a regra dos blockbusters, mas não sem esbarrar no ridículo e no absurdo.




Existe um certo tipo de desprezo coletivo, por vezes mesmo inconsciente,  em relação às parodias e aos pastiches, como se os filmes que dela se servem não pudessem ser jamais levados à sério. Estes termos são associados automaticamente à trivialidade, ao menor e ao inexpressivo. Esse ostracismo não é novo e remonta os autores da literatura clássica, assaz apegados à hierarquia genérica aristotélica. Nela a paródia seria a categoria mais distante do ideal de nobreza atribuído às tragédias. Ela seria o mais baixo dos gêneros, inferior inclusive à comédia, reservada sobretudo ao repertório dos bufões, sendo aceita, unicamente e eventualmente, como um ornamento literário. 

Ai está a beleza desse filminho, um curta metragem de 30 minutos dotado de uma hipertextualidade de densidade impressionante (no limite da poluição visual), sem nenhum respeito próprio, assumido e baseado unicamente na parodia, por sua vez de obras que eram elas mesmas cópias inferiores, pastiches, ou que pertenciam à extratos culturais considerados próximos do lixo. O resultando foi algo propositalmente tão degradante e vulgar, com um teor de desdramatização quase pleno, que termina por ser estiloso por si mesmo. O pior pesadelo de Platão, mas que carrega ainda assim uma poética. 

Em termos cinematográficos o filme é unicamente baseado no cinema voltado para ele mesmo, na auto-reflexão. Nada ali é novo, propositalmente. Esse discurso exclusivo do cinema sobre o cinema sublinha exatamente o tipo de distanciamento do real que caracteriza o cinema pós moderno, incapaz de mover-se um passo à frente do empréstimo de outros filmes clássicos (exemplo máximo: Tarantino). Entretanto, sem a pretensão de construir uma imagem de autor para si (como no caso de Tarantino), Kung Fury assume-se abertamente como subversivo na prática carnavalesca do empréstimo, o que lhe confere paradoxalmente, uma personalidade, um funcionamento próprio. O filme, por sua exageração proposital, é uma espécie de alegoria em torno da banalização do dispositivo do saque dentro do cinema pós-moderno. Ele é duplamente referencial neste aspecto, porque ele saqueia, dentro de sua condição anárquica, à quem saqueia, e através da exageração e do mau gosto, faz também uma observação crítica do primeiro saqueador. 

Kung Fury estabelece suas práticas imitativas/paródicas com diversas disciplinas áudio visuais: cinema, televisão, vídeo cassete, vídeo clip, vídeo-game, publicidade (e outras medias como a musica synth pop, e os quadrinhos da revista Heavy metal). Um gesto que ao mesmo tempo faz pensar na extensa e estreita relação entre os diversos membros da família de herdeiros do cinema, também repete uma operação que é extremamente tradicional, senão tradicionalista, do cinema, uma vez que a primeira vez que um filme copiou/citou/imitou/fez paródia de um filme concorrente data de 1895, quando Thomas Edson referencia Arroseur arrosé dos Frères Lumière (1895). Tomar para si um personagem ou uma historia de outro filme, com a finalidade de divertir o espectador, é algo tão antigo quanto o cinema. 



Dentro do seu repertório de paródias, e para compor seu poema do mau gosto, Karate Fury dedicou uma atenção especial à um gênero cujos desdobramentos merecem algumas palavras: o Naziexploitation, que é a representação arquetípica do imaginário nazista dentro de um cinema dito de baixa roda, muito comum sobretudo nos anos 70. Filmes que não tinham o menor pudor de explorar o trauma colossal da II guerra e dos campos de concentração, de memória então muito recente, muitas vezes dotados de forte temática sexual. Enfim, filmes de integridade moral e estética completamente duvidosas, verdadeiras parafilias fílmicas. Após sofrerem um linchamento coletivo na década de 70, o naziexploitation voltou a ser centro de atenções de interessados em cinema B, em meados dos anos 2000, graças ao resgate em DVD dos clássicos deste subgênero. Obviamente a maior traça do cinema mundial, Tarantino (de novo ele), construiu um blockbuster fortemente referencial ao Naziexploitation (Inglorious bastards), e dentro do espírito de saquear do saqueador, Kung Fury faz essa reciclagem paródica em segundo grau. Um tema que era tabu absoluto acabou ao longo dos anos por perder o selo de "apropriação inapropriada", para tornar-se mais um motivo pasteurizado dentro da cultura popular. Trazer nazistas de volta à vida, humilhá-los e espancá-los passou à representar para uma nova geração a possibilidade de reivindicar um pouco do alto fervor moral da geração de seus avós. Todos adoram insultar de maneira ritualística, alguma patética versão de Hitler, em filmes, games, memes e cartoons. A ubiquidade de Hitler, quem diria, tornou-se pop.


Do ponto de vista estético, puramente formal, o filme paira, através sua cenografia, fortemente em torno de uma questão urgente dentro do cinema contemporâneo, que é o papel da digitalização da imagem cinematográfica, fato que alterou irrevogavelmente o fenômeno da figuração visual como um todo. Nos últimos 20 anos o mundo digital é um fato consumado, e a forma dominante dentro do discurso audio visual. O cinema se libertou da "tirania do filme", do monopólio da película, doa à quem doer. E doeu muito, em muita gente. Porém já é tarde para lamentos, e não há mais espaço para se chorar pelo fim do filme tradicional, "humano", que cedeu lugar ao frio e alienígena suporte digital. Mais do que uma simples questão do suporte fílmico, o cinema, pelo menos o cinema de grande consumo, tem cada vez mais triturado as técnicas tradicionais de narrativa em favor da montagem rápida, da compressão do tempo, e de um caleidoscópio visual enlouquecido. Tudo precisa causar o estupor. Editar um filme se tornou um exercício de frenesi, um ato voraz e quase maníaco. Se os antigos mitos, sonhos e paisagens permanecem os mesmos, a maneira como estes são entregues se transformou em um produto de consumo imediato, rápido. Processado na forma de contornos perfeitos, mas efêmero, pouco permanentes, à maneira da vida semi-significativa na era digital. Se Andy Wharol estava certo em afirmar que mesmo as imagens mais simplórias, mundanas e processadas, são capazes de causar uma repercussão, só o tempo dirá. 

Kung Fury é muito insistente nesta questão, não apresentando nenhum plano sequer de cenografia tradicional. Pelo contrário, o filme é sarcasticamente composto dentro desta nova tendência narrativa do cinema, cuja direção de arte, paisagens e imersão espacial simulam cada vez mais o universo dos video games. Kung Fury quer ser artificial. Uma forma de expressão que vem cada vez mais se firmando como forma dominante no cinema de grande consumo, e que pode se firmar de maneira preponderante na paisagem cultural do século 21. James Cameron, Peter Jackson e Guillermo del Toro são os expoentes máximos desta nova sintaxe, que está longe de ser uma unanimidade, sobretudo entre os mais apegados ao modos de representação mais tradicionais. Mas aparentemente os modos de representação acompanham o movimento das sociedades que os produzem. Convocando aqui a espetacular teorização de Noël Burch, e fazendo uma extrapolação, o homem das cavernas pintava na solidez da rocha para afirmar sua própria capacidade de permanência. O homem do renascimento começou a pintar em perspectiva porque ele passou a se colocar em perspectiva humanista dentro da existência. O homem do final do século 19 precisou adaptar seu modo de representação à modernidade de um tempo em que as coisas mudavam rápido demais, e por isso criou o cinema, isto é, a imagem em movimento constante, como a sociedade em que estava inserido. No século 21 aparentemente o cinema vai virar um enorme video game: ultra veloz, ultra ruidoso, ultra violento, ultra colorido, ultra explosivo. Uma indigesta overdose de adrenalina.

Título Original: Kung Fury
Ano: 2015
País: Suécia
Diretor: David Sandberg
Awards: Cannes

(Legendas em Português)





2 comentários:

  1. Uau! uma analise profundissima de um filme que achei que não merecia tudo isso :) adoro o jeito que vc escreve :)

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por suas palavras Farmacia .

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...